top of page

Entrevista com a intérprete e tradutora Natalia Taddei

Atualizado: 14 de mar.

Nesta entrevista, conheceremos Natalia Taddei, sócia da A.T. Tradução e Interpretação, intérprete e tradutora experiente que atua há mais de 17 anos na profissão. Natalia possui experiência consolidada em diversas áreas, como saúde, petróleo e gás, negócios, seguros, medicina, política, agricultura, ciências sociais, tecnologia da informação e esportes. Trabalha com três línguas: português, inglês e espanhol.

Natalia Taddei
Natalia Taddei

Natalia é formada em Fonoaudiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999) e em Interpretação de Conferência pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2008), onde também concluiu o curso de Formação de Tradutores (2006).


Desde 2018, é professora do curso de especialização em Interpretação de Conferências na PUC-RJ. Durante a entrevista, Natalia nos dará a oportunidade de entender mais sobre a profissão de intérprete de conferência e tradução. Confira:


Natalia você sempre quis ser intérprete? Quando surgiu a vontade de ser intérprete? Pode nos contar como foi esse processo de escolha da profissão?

Nem sempre quis ser intérprete. Minha primeira formação foi em fonoaudiologia. A vontade de ser intérprete veio depois de concluir a formação em tradução escrita. Passei pelo processo de seleção do curso de formação de intérpretes da PUC- Rio e já nas primeiras aulas me apaixonei pela interpretação.


Como foi o período de estudos? Foi fácil aprender? O que se aprende nos cursos de Formação de Tradutores e Intérprete de Conferência?

O curso de interpretação foi muito desafiador e também gratificante. Interpretar é uma habilidade adquirida. Portanto, precisamos praticar muito para desenvolver essa habilidade, tanto na modalidade simultânea quanto na consecutiva. No curso, aprendemos não só a interpretar mas também a nos preparar para os eventos, a fazer glossários com os termos técnicos, a cuidar da voz e da audição e estudamos ética profissional.


Você já sai pronta da faculdade para o mercado? Quais são as maiores dificuldades até que a pessoa fique apta a trabalhar?

O curso da PUC-Rio prepara para o mercado de trabalho. Temos conferências simuladas e estágios em eventos reais onde os alunos podem praticar a interpretação. Entrar no mercado pode ser um processo lento e, muitas vezes, a interpretação não é a única fonte de renda dos intérpretes.


Como é o mercado de trabalho? Existem muitas vagas para Interpretação e Tradução? Ou as pessoas trabalham mais de forma autônoma (freelancer)?

O mercado de trabalho é bastante diverso. No Brasil, a maior parte dos intérpretes trabalha como freelancer. Os dois maiores mercados são São Paulo e Rio de Janeiro.


O que te dá mais satisfação em ser intérprete? Aquilo que te faz amar a profissão que escolheu?

O que mais gosto da interpretação é o desafio. Cada evento é um novo desafio, com terminologia e oradores diferentes. Gosto de descobrir e estudar assuntos que eu jamais estudaria se não fossem os eventos que interpreto.


É uma profissão que remunera bem? Como é o setor de Tradução Simultânea no Brasil? Tem eventos sempre?

É uma profissão que remunera bem, mas ser freelancer requer planejamento, principalmente num Mercado que tem uma sazonalidade como o mercado de interpretação.


Você viaja muito ou já viajou bastante para exercer sua profissão tanto no Brasil quando para o exterior? Pode nos contar uma dessas experiências?

Já viajei para exercer minha profissão no Brasil. Uma das experiências mais ricas foi o Fórum Social Mundial em Belém do Pará. Eu estava começando a carreira e foi muito importante trabalhar num evento com tantos intérpretes porque tive a oportunidade de conhecer muitos colegas experientes. Os intérpretes viajam também para fazer cursos de formação continuada e desenvolvimento profissional. Esses cursos são fundamentais para a carreira do intérprete profissional.


Poderia citar alguma instituição que oferece a formação continua? Existem no Brasil?

Depende das línguas de trabalho do intérprete. No Brasil temos cursos oferecidos pelas associações profissionais, APIC (Associação Profissional de Intérpretes de Conferências) e AIIC (Associação Internacional de Intérpretes de Conferência). Fora do país, há os cursos oferecidos pela AIIC e pelas associações de intérpretes de outros países.


Já passou por algum imprevisto em que foi obrigada a fazer o seu trabalho sem os recursos necessários, e teve que improvisar? Isso acontece? Quais são os principais problemas que podem acontecer em um evento?

Já passei por imprevistos sim. Uma coisa que acontece é haver alguma falha no equipamento de interpretação simultânea e os intérpretes precisarem trabalhar em consecutiva. Por isso é importante não só trabalhar com equipamentos de qualidade como também estar sempre pronta para imprevistos.


A última situação inusitada pela qual passei foi interpretar em um evento remoto sobre suprimento de energia elétrica durante um apagão no meu bairro. Originalmente, uma outra colega iria interpretar o evento, mas com o apagão no nosso bairro, não tinha como se conectar pois não tinha nobreak com autonomia suficiente. Resulta que acabei substituindo a colega e o único equipamento ligado em casa era o computador.


Você também é (ou foi) intérprete voluntária do Médicos Sem Fronteira Brasil. Poderia falar um pouco sobre esse trabalho voluntário? Como é trabalhar para o MSF?

É sempre muito bom fazer trabalho voluntário quando acreditamos no trabalho da organização para a qual doamos nosso trabalho. O MSF é uma dessas organizações. O trabalho é intenso e muito recompensador.


Os sócios da A.T. Tradução e Interpretação - Denise Araújo, Christiano Sanches e Natalia Taddei no 8th MUFPP Global Fórum (Oitavo Fórum global do Pacto de Milão sobre política de alimentação urbana- Rio de Janeiro 2022)
Os sócios da A.T. Tradução e Interpretação

Como surgiu a ideia de criar a A.T Tradução e Interpretação? Quem são seus sócios? E quais trabalhos vocês oferecem? Pode nos falar um pouco sobre esses serviços?

A ideia de criar a A.T. Tradução e Interpretação foi da Denise Araújo. Ela me propôs abrirmos a empresa logo depois que nos formamos na PUC-Rio. Atualmente somos três sócios: eu, Denise Araújo e Christiano Sanches. Oferecemos serviços de interpretação simultânea e consecutiva, presencial e remota e tradução escrita. Oferecemos também consultoria para organização da interpretação dos eventos.


Em relação aos equipamentos, você sabe que no Brasil a Riole fabrica equipamentos de Tradução Simultânea. Você já usou algum desses equipamentos? A Central de Intérprete da Riole por exemplo, atende tão bem quanto os equipamentos produzidos lá fora?

Conheço e uso os equipamentos da Riole. Eles não deixam nada a desejar quando comparado aos equipamentos importados. A central de intérpretes da Riole tem uma característica que me agrada muito: a luminária embutida da CI. Economiza espaço na cabine e facilita a vida do intérprete.


Você teria algum conselho para os alunos ou as pessoas que se interessam em seguir a carreira de intérprete e/ou tradutor?

A formação é fundamental! Se você quer ser intérprete busque uma formação bem estruturada, com bom currículo. Cursos de curta duração não são suficientes para formação de intérpretes. Se você já é aluno, se dedique! Persevere, ouça o feedback dos professores, invista na prática deliberada, leia sobre o que está acontecendo no mundo, cultive a curiosidade sempre. E quando se formar, depois de tanto investimento e dedicação, se valorize, valorize a profissão, filiando-se às associações de intérpretes que já mencionei e trabalhando de acordo com as condições de trabalho e o código de ética profissional dessas associações.



 

O que achou da entrevista? Interessante?

Aproveite para compartilhar com outros interessados no tema, e caso você organiza eventos de categoria global, confira as vantagens que o TradLink pode trazer para você. Fale com nossos representantes.



TradLink é um produto Riole

A Riole é uma indústria especializada em produtos e sistemas de áudio e vídeo que oferece soluções exclusivas de comunicação para o setor industrial, gerenciamento de plenários legislativos, tribunais e conselhos, equipamentos de tradução simultânea para eventos multilíngues, além de acessibilidade para salas de cinema.

Tem como principal compromisso a inovação e o desenvolvimento de soluções feitas para melhorar a vida das pessoas e a sociedade como um todo.

Com sede em Colombo, região metropolitana de Curitiba - PR, a Riole é referência internacional há mais de 40 anos em soluções inteligentes.

Quer saber mais detalhes do Tradlink? Peça um orçamento agora mesmo!


1.229 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page